Terapia EFT ou Tapping – equilíbrio emocional

(EFT – Técnica de Libertação Emocional) psicoterapia integral: corpo, mente, emoções e energia >>>>> liberte o que precisa de perder. ganhe o que mais deseja.


Deixe um comentário

ponto do coração

eft coração

No protocolo que utilizo em EFT este é um ponto fulcral. O contacto consigo mesmo. e o local de sintonização também com o problema.
Já reparou (normalmente) que é o local onde localiza o seu “eu”? Eu faço-o quando aponto para mim…
Facto ou ato inconsciente ou de resposta a uma intensidade energética, este ponto relaciona-se com o coração e já foi medido como o centro electromagnético mais poderoso no corpo.

O centro do peito relaciona-se com:

  • o ponto 17 do vaso da concepção, chamado Mar do Qi, e onde também se cruzam outras meridianos.
  • o timo, do grego significa energia vital, e a activação do sistema imunitário atravéz do sistema linfático
  • chacra do coração, centro energético poderoso que reflete a capacidade de receptividade e da aceitação, do amor e compaixão por nós mesmos e pelos outros.

Com tanto a cruzar-se numa zona tão crucial, é um ponto útil para usar em urgência, para acalmar a mente e as emoções. Use em caso de uma emoção muito intensa (ansiedade, zanga, tristeza, cansaço extremo)…
Coloque a mão sobre o peito, massagem circularmente ou dê as tapinhas ligeiras enquanto se connecta com o que sente e coloque a intenção de deixar ir tudo isso… respire o mais tranquilamente possível até sentir a acalmia chegar. Continue até atingir uma neutralidade. Depois pode colocar uma intenção positiva, como mais calma ou mais energia ou mais alegria…

Também pode aplicar em outras pessoas, incluindo bebés e crianças.

 

 

 

Anúncios


Deixe um comentário

Corporizar

blue,flame,girl,glow,line,lines-5fc8f089afabfd6d6b3151f23ad86a7d_h

 

Temos um corpo.
Pensamos, sentimos e vivemos dentro deste corpo.
Toda a nossa história está guardada nele.
Há sinais que refletem a nossa história: tensão, rigidez, peso, dor são sentidos no corpo. Também são corpóreas as sensações metafóricas como as borboletas no estômago, o congelar, o nó na garganta, o coração partido, a o peso no mundo nos ombros, uma pedra no peito, faca cravada nas costas, o estômago em chamas, engolir sapos, os pensamentos a andar à roda…
Todos estes sinais são sentidos no corpo. A alguns o nosso pensamento dá um nome (uma etiqueta) de acordo com uma aprendizagem: tristeza, frustração, perda, traição… A outros não damos nome e fica a sensação de incómodo e de algo que permanece.
Todos estes sinais, os com etiqueta e os sem etiqueta, desde os mais subtis aos mais intensos chamamos emoções. As emoções são os sinais que sentimos no corpo em resultado de algo que aconteceu externamente. Para nos “avisar” do que se passa e seguirmos o caminho mais apropriado para nós. Claro que há muitas emoções deslocadas e não adequadas à situação. Isso quer apenas dizer que existe um excesso acumulado e que explode com algo muito pequeno – a gota de água.

E porque acontece assim?
O nosso corpo é mais do que fisiologia. Tem matéria e tem algo invisível, e estes dois aspectos estão interligados. Somos um sistema holístico, dinâmico, interdependente e “inter-influenciável”: quando actuamos num dos componentes, todos sofrem uma alteração. Somos o corpo, o comportamento, a mente, o pensamento, o espírito, e subjacente a tudo, a energia que faz parte das partículas mais pequenas de nós: todos os “quanta” que compõem os átomos de cada corpo.
Esta energia é não visível, mas mensurável através de alguns processos.
E esta energia idealmente deveria correr livre e em fluxo constante, para sermos perfeitamente livres de bloqueios. No estado ideal tudo acontece no mundo, a informação entra no fluxo individual de energia e é imediatamente libertada, deixando uma aprendizagem apenas. No entanto, por motivos misteriosos, não acontece assim.
Gosto da dar a imagem de um rio poderoso, limpo, forte, cheio de natureza e vida. Por algum motivo dão-se derrocadas em vários locais, por motivos diferentes. Em cada local, cria-se uma zona de estagnação onde mais detritos do rio se acumulam: pedras, troncos, restos de outras coisas.  Estas zonas começam a bloquear o curso do rio, e quanto mais estagnação há, mais detritos se acumulam até o fluxo do rio ficar seriamente perturbado. Em vez de ser um rio forte e poderoso há um rio poluído e estagnado, com barragens de detritos. Estes detritos são acumular das emoções, histórias da vida, aprendizagens, condicionamentos culturais, sociais, familiares, traumas…  Na história das nossas vidas há um acumular de mau-estar e tudo o mais que tentamos libertar de várias maneiras.

big river - kinfo

E o que fazer com tudo isto?
A resposta que o EFT apresenta, é o seu nome – Técnica de Libertação Emocional. Aquilo que o EFT faz é encontrar e conectar essas emoções guardadas e desvanecê-las através de um processo simples muitas vezes chamado de acupuntura sem agulhas.

E o que acontece a seguir?
Quando a emoção /pensamento se desvanece fica a sensação de leveza, desligamento, alívio. O assunto deixou de ter a importância anterior. E para terminar de modo emporerador, colocamos nesse lugar algo positivo e forte.

E é assim tão simples?
É simples, rápido e eficaz. No entanto, não é mágico 🙂 A prática é necessária, tal como com qualquer outra prática, e leva aos resultados desejados.

E podemos usar em quê?
O criador da técnica, Gary Craig, diz ” experimentem em tudo”. E assim é. Tudo o que produza alívio e leveza já é algo diferente e uma melhoria.
Quando a emoção é completamente libertada, sentimos, pensamos e temos comportamentos diferentes. E é esse o resultado de limpar as barragens estagnadas e o fluxo do rio ser reposto.  É encontrar o equilibro emocional.
É ser, cada vez mais naturalmente, o verdadeiro ser único que somos. Trazer à luz e fazer brilhar a luz que nos anima.


Deixe um comentário

Estudo científico – Clinical EFT

Neste estudo Dawson Church, apresenta um estudo sobre o estado do EFT no mundo e apresenta uma versão de EFT, regulada, com um protocolo sistematizado, de modo a poder entrar no mundo da ciência regulada e a ser aprovado como método recomendado pela Associação Americana de Psicologia.

É um artigo extenso em que se propõe o EFT como um Tratamento Empiricamente Validado e onde se apresentam as conclusões de estudos sobre vários assuntos, nomeadamente:
Problemas psicológicos: ansiedade, stress pós-traumático, fobias e depressão
Problemas fisiológicos: dor e auto-imunidade
Desempenho: cumprir objectivos no desporto, negócios e escolares ou académicos

As conclusões gerais são que o EFT apresenta sempre beneficios, mesmo com poucas sessões, que esses benefícios se mantém ao longo do tempo (dependendo do tipo de condição) e que o EFT pode ser aplicado em sessões individuais ou em grupo obtendo sempre efeitos positivos, sendo seguro e não apresentando efeitos secundários mesmo em auto-aplicação.

TODO O ESTUDO

EFT-tapping-reduce-pain-anxiety-long-term-illness-ptsd-alternative-health-self-help

Dawson Church, PhD, o sucessor de Gary Craig na manutenção do site EFTUniverse.com, médico e pesquisador na área da saúde mental e psicologia energética, tem um longo percurso científico e apresentou vários trabalhos sobre a medicina alternativa e energética no tratamento de várias desordens emocionais e psicológicas. Tem feito um excelente trabalho na sistematização e divulgação do EFT.
Biografia sobre Dawson


Deixe um comentário

Como se cria um trauma emocional e físico

A terapia EFT (ou Método Tapping)  tem como fundamento que cada acontecimento que faz sentir “mal”, desde um incómodo até algo grave, causa um bloqueio, uma marca, no sistema energético do corpo, que se traduz em sintomas físicos e emocionais.

Através da epigenética, sabemos que o “meio ambiente” é um factor de controle no que acontece com as células, condicionando o desenvolvimento correcto ou deficiente ou causando doenças. E para uma célula o “meio ambiente” é tudo. Desde o que se come, até aos compostos bioquímicos que o corpo produz em reacção aos pensamentos e emoções, passando pelo contacto com outros seres exógenos, como bactérias e vírus.

Tudo o que se passa no meio ambiente da célula, activa ou destactiva antenas receptoras próprias para cada “acontecimento” e de cada vez que uma célula se reproduz, reforça a presença de determinadas antenas que por sua vez são a representação de um acontecimento.

images

Imagine um momento em que viveu uma situação de medo intenso associado, digamos a uma barata – só para ser um assunto simples.

Acontecem várias coisas nesse momento.

Primeiro o cérebro percepcionou, por algum motivo, a barata como algo perigoso. A seguir dá ordens ao corpo para produzir uma grande quantidade de bioquímicos como o cortisol e adrenalina para preparar o corpo para lutar ou fugir.

Estes químicos transformam o “meio ambiente” da célula activando muitas das suas antenas receptoras destes químicos e inundando o interior da célula com esta informação de perigo. A célula, interiormente, cria químicos de resposta a esta inundação e conforme o local do corpo, liberta ou absorve açúcares, abranda até ao estado mínimo ou acelera incrivelmente. Todos conhecemos os sintomas de um acesso de stress: respiração e coração acelerado, tensão muscular, estado de alerta nos sentido, olhos e ouvidos preparados para perceber o que se passa em volta e todos os músculos prontos para lutar ou correr sem parar.

E assim está criado um nó. Um medo, racional ou não, não importa, resulta numa alteração do meio ambiente da célula, que altera por sua vez a própria célula ao nível da activação e desactivação de genes no ADN, o que cria dentro de si uma representação da percepção e da experiência de perigo e apesar de os valores baixarem no corpo em geral, este acontecimento deixou uma marca na célula.

epigenetics_FINAL

Quando for altura desta célula se reproduzir, irá reproduzir-se tal como está, com esta marca. e o número de células afectadas irá aumentar, tal como uma sensação de desconforto no corpo, um aumento do estado de alerta e de excesso de produção de químicos desnecessários. A longo prazo, níveis elevados de stress, nem sempre consciente, produzem grandes estragos no delicado estado de equilíbrio e saúde, criando dificuldades em dormir, concentrar-se, aumento de peso, problemas cardíacos e de um modo geral uma sobrecarga no organismo.

E por fim, tudo isto criou uma memória, associada a um estado emocional, físico e energético que vai desde uma percepção até todas as células e ao mundo intracelular.

Foi instalado um medo de baratas. Com o tempo a associação cérebro/corpo vai repetindo este acontecimento ao nível da memória, reforçando de cada vez todo o sistema e criando uma reação cada vez mais instalada, reforçada e profunda. De cada vez que encontra uma barata tudo acontece de novo com uma intensidade maior. E mesmo quando não vê uma barata, essa reacção vai crescendo, via reforço da memória. Por fim, só a vaga ideia de um dia poder eventualmente ver uma barata causa tanta reacção como ver efectivamente uma. Está instalada uma fobia intensa.

Como o EFT lida com isto?

É simples. Cada sintoma, cada aspecto, é trabalhado separadamente de modo a libertar a energia associada ao nó emocional e físico.  É uma reprogramação cerebral e física rápida, suave e efectiva. Vamos indicar ao cérebro que aquilo que percepciona como perigo, não o é.  E programar uma nova de reacção de tranquilidade e calma perante a mesma situação.

Neste exemplo falámos de uma barata e de uma fobia, mas o principio é o mesmo para qualquer evento ou situação emocional , pois como se percebe, as emoções causam sintomas físicos e os sintomas físicos acabam por reforçar o lado emocional.

 

E se houvesse uma solução para mim?

1 Comentário

Gary Craig diz: “Use para tudo”.

“Talvez devesse ser um pouco mais modesto a este respeito, mas eu penso que EFT irá mudar o seu mundo dramaticamente. Eu sei que parece ser um bocado exagerado, mas esta técnica pode competir em importância com a Declaração da Independência. […]

Por independência entendo libertação de emoções negativas.

Isto é, a liberdade que lhe permite desabrochar e superar quaisquer obstáculos ocultos que impedem que tenha um desempenho de acordo com a sua capacidade.

Quero dizer também libertação de anos de baixa auto-estima… ou relutância… ou pesar pela perda de um ente amado… ou raiva… ou memórias negativas, envolvendo violação ou outras formas de abuso.

Quero também dizer liberdade para conseguir aquele aumento de rendimentos, fazer aquelas visitas de negócios, iniciar um novo negócio, melhorar seu handicap no golfe, perder aquele excesso de peso, relacionar-se com facilidade ou superar inibições para fazer discursos, ou ainda poder tornar-se um cantor ou comediante de palco.

Quero dizer libertar-se da ansiedade que o obriga a tomar aqueles comprimidos, beber aquela bebida alcoólica, fumar aqueles cigarros, ou assaltar o frigorífico à noite.

Quero também dizer liberdade para expressar amor com naturalidade, e sentir-se à vontade neste planeta, enfrentando os dias com ânimo e confiança.

Quero dizer libertar-se dos medos intensos… ou fobias… ou da ansiedade… ou ataque de pânico… ou transtorno de stress pós-traumático… ou dependências… ou depressão… ou sentimento de culpa… ou… ou… ou…”

Gary Craig – “Manual de EFT”

 

A aplicação intensiva* de EFT (ou Medo Tapping) proporciona melhoras, mais ou menos impressionantes numa grande variedade de problemas…

(* apesar haver resultados ou melhorias muitas vezes imediatos, para resolver assuntos mais profundos é necessário, como em tudo na vida, empenho, persistência e dedicação J)

Traumas emocionais graves: Eventos de infância, ou acontecimentos recentes, únicos ou recorrentes

Emoções não resolvidas: Raiva, ressentimento, tristeza, luto, ciúme, não sentir nada, bloqueio, depressão, medo, ansiedade, pânico, stress, baixa auto-estima, não merecimento, culpa, …

Stress pós-traumático: Em caso de um acidente grave, assalto, violação, ataque por um cão, guerra, …

Gestão diária do stress: O escritório, os filhos, a casa, o trânsito, relacionamentos, conflitos, …

Emoções positivas: Expressar as emoções de modo saudável, viver mais feliz, …

Situações comportamentais: Insónia, dislexia, gagez, gestão da raiva, relacionamentos, situações de divórcio, desejo de suicídio…

Falta de concentração: Desordem da atenção em crianças, dificuldade em terminar tarefas, adiar, …

Nervosismo em situação chave: Exames, apresentações, falar em público, …

Compulsões e obcessões: Síndrome obsessivo-complusivo, adições ou vícios: Fumar, álcool, drogas, comida, jogo…

Fobias: Andar de avião, baratas, pontes, claustrofobia, …

Dores físicas: Dores crónicas, enxaquecas, fibromialgia, acidentes, cirurgias, …

Doenças em geral: Trauma do diagnóstico, da recuperação e da vida futura, melhoria na doença. Asma, diabetes, hipertensão arterial, cancro, ….

Doenças terminais: Fazer a paz com a vida e com a morte

Mobilidade física: Ajuda na reabilitação e flexibilidade, melhoria da existente para desportistas, …

Alergias: Sensibilidades químicas e orgânicas

Objectivos  e performance: Perder peso, deixar de fumar, poupar, melhorar objectivos comerciais ou de performance profissional, …

Pré-mamã, mamã e bebé: Medo de perder o bebé ou doenças, luto, stress e ansiedade depois do nascimento, depressão pós parto, acalmar e tratar o bebé

Problemas com crianças e adolescentes: Qualquer idade, todas as situações, tristeza, depressão, ansiedade, dificuldade na escola, auto-estima, …