Terapia EFT ou Tapping

(EFT – Técnica de Libertação Emocional) psicoterapia integral: corpo, mente, emoções e energia >>>>> liberte o que precisa de perder. ganhe o que mais deseja.


Deixe um comentário

Estudos científicos – EFT e depressão

A depressão é um estado devastador e que retira grande parte (se não a totalidade) da capacidade de acção e de funcionamento na vida.

Muitas vezes incompreendida, por não haver causas aparentes para a sua existência, é no entanto, para quem padece deste estado, um real e profundo sofrimento.

Desde um estado ligeiro depressivo passageiro ou de reação a circunstâncias adversas, a estados de profundo desânimo, a principal característica é a sensação de desistência, de que nada vale a pena. Já se passou o limiar de tudo o que se sentiu antes… e parece que nada vai mudar.

Os efeitos do EFT em casos de depressão são claros para quem observa e podem notar-se melhorias desde a primeira sessão.

No entanto a “cura” da depressão é um processo que implica um olhar sobre um grande número de assuntos interligados e a sua pacificação emocional, o que pode ser um processo de duração variável.

Depressão e EFT

Este é um dos vários estudos feitos sobre EFT e sua aplicação sistematizada sobre pacientes com diagnóstico depressivo.


Os resultados mostram que EFT é altamente eficaz na redução dos sintomas depressivos numa amostra diversificada de população. O efeito pós-teste é maior do que em estudos semelhantes relacionados com a aplicação de medicamentos e psicoterapia.
Os pacientes mantêm os ganhos ao longo do tempo quer tenham tido terapia em grupo ou individual.

——————–

Conclusions

The results show that Clinical EFT were highly effective in reducing depressive symptoms in a variety of populations and settings. EFT were equal or superior to TAU and other active treatment controls. The post test effect size for EFT (d = 1.31) was larger than that measured in meta-analyses of antidepressant drug trials and psychotherapy studies. EFT produced large treatment effects whether delivered in group or individual format, and participants maintained their gains over time. This meta-analysis extends the existing literature through facilitation of a better understanding of the variability and clinical significance of depression improvement subsequent to EFT treatment.

Todo o texto AQUI

 


Referências e outros estudos científicos sobre o EFT aplicado AQUI


Deixe um comentário

EFT, a terapia integral: a ligação corpo-mente e como funciona

Desde há alguns anos que as terapias naturais são cada vez mais procuradas, e mesmo investigadas cientificamente, sendo que a maior parte se abriga dentro da área que se costuma chamar terapias holísticas. Cada vez mais entende-se que há uma ligação, ou melhor, integração, entre corpo, mente e espírito, e que não se pode tratar nenhum deles em separado. Somos um ser integral e devemos ser tratados assim.

Entre as inúmeras variantes da terapia holística, encontram-se os conceitos de medicina energética e psicologia energética. Entende-se que a matéria não é mais do que energia de vibração mais baixa e que, se buscarmos meios de cura através da energia, podemos mudar a matéria.

A Terapia EFT – Emotional Freedom Techniques (ou Tapping), é uma terapia que actua na energia dos meridianos através de toques ou batidas ligeiras. A técnica trabalha no sistema energético corporal, de acordo com a Medicina Tradicional Chinesa, e usa certos pontos da acupunctura. Daí o nome muitas vezes utilizado de acupunctura sem agulhas. Mas ao mesmo tempo, e diferentemente da acupunctura, é utilizado o foco de atenção e pensamento, de modo a se atingir um alvo específico, ou seja o assunto a ser tratado. Normalmente este pensamento é traduzido em fala para facilitar a concentração (talking), por isso também é chamada de acupunctura psicológica ou emocional.

O número cada vez maior de testemunhos positivos, comprovam que terapias deste género (sendo o EFT uma das mais conhecidas, entre as várias terapias de energias dos meridianos) trazem uma notável melhoria em inúmeros casos.

Pode dizer-se que o responsável por esses resultados positivos é a própria conversa (talking), já bastante conhecida na psicoterapia tradicional. Sem dúvida isso tem parte da verdade. Pode-se dizer, também, que o resultado se dá por causa das batidas nos pontos de acupunctura. E isso também tem parte da verdade. Mais ainda, o EFT facilita a conversa interna, quando ouvimos e aprendemos a interpretar as mensagens que recebemos do corpo. Isso, sem dúvida, também tem grande parte da verdade. É o conhecido caminho de ouvir o que seu coração fala ou ouvir o corpo.

O uso da terapia da conversa (talk therapy) para problemas físicos é ainda bastante controverso quer na comunidade científica quer na generalidade do público. Mesmo que o mundo esteja cada vez mais aberto à ideia holística e ao conceito corpo-mente, a maioria das pessoas ainda está muito presa à ideia da separação do corpo físico para com o mental ou espiritual.

Esta ideia criou-se a partir no século dezassete com Newton e Descartes, e nasceu da necessidade de separar a ciência e o estudo científico da subjugação aos princípios da religião e do poder da igreja na Europa. Uma nova era começou no século vinte, e principalmente a partir da década de sessenta, com o despertar no Ocidente das antigas tradições da China e da Índia e em menor grau de outras tradições indígenas do continente americano. Com ela a ideia espiritualista vencia as barreiras do conceito religioso e se integrava no conceito terreno.

Do lado científico, no início do século vinte as teorias de Einstein e de outros colegas sobre a energia trouxeram uma nova maneira de pensar sobre a matéria, o visível e o invisível, resultando na moderna teoria quântica. Em outra área de investigação, na década de setenta, pesquisas conseguiram isolar os neurotransmissores, que actuam em grande parte no sistema imunológico. Isso foi rotulado como um segundo cérebro. Por outras palavras, o sistema imunológico, que nos protege das doenças, pode ser treinado a aprender e responder a sinais externos. Ou seja, o sistema nervoso também aprende e se lembra, tal como o cérebro.

Ao longo deste tempo as experiências científicas e empíricas têm demonstrado que o sistema nervoso pode afectar o sistema imunológico e o sistema imunológico pode afectar o sistema nervoso. Assim, podemos entender que o que chamamos stress causa muitos desequilíbrios no corpo. Hoje em dia sabe-se que o cérebro, os neurotransmissores (actuando como mensageiros e mediadores), e o sistema imunológico, comunicam uns com os outros e comunicam com todo o corpo e todas células, criando cada vez mais uma coerência e uma ligação total.

Existem mensagens que transmitem estados positivos do cérebro ao sistema corporal. E existem mensagens que transmitem estados negativos. É a ligação corpo-mente. Estes estados são chamados emoções. Assim, emoção é a informação de um estado apercebido como positivo ou negativo que se espalha pelo corpo e que apresenta sintomas físicos próprios.

Estes sintomas diferem e afectam sistemas e órgãos ou zonas do corpo diferentes. E como se faz a ligação deste estado ao sistema energético? Por todo o corpo existe uma rede que transmite a corrente eléctrica, tal como as veias que levam o sangue, e que liga todo o corpo. Os estados positivos e negativos também percorrem esta corrente, afectando-a de modo positivo, fluindo, ou negativo, bloqueando-a.

Podemos pensar nesta corrente energética como rios que correm, onde ocasionalmente caem pedras ou outros escombros – os estados negativos. Com o tempo e os acontecimentos da vida mais restos se acumulam. Até criar uma barreira. E esta barreira cria uma estagnação. Quanto mais se acumula, mais difícil é atingir o estado de fluxo de novo. E a quanto mais estagnação se cria, mais a energia se condensa e perde vibração, começando a criar dor ou doença no corpo.

Podemos aprender como influenciar o sistema emocional e físico, desbloqueando o fluir da energia, fazendo com isso uma grande diferença na nossa vida e saúde. Com isso, podemos levar uma vida de bem-estar e crescimento, ao invés de uma vida de medo, sempre se defendendo de doenças e outros factores negativos.

Com o desenvolvimento das técnicas da psicologia energética dos últimos vinte anos, tais como o EFT, e a maior aceitação do sentido holístico na medicina, a separação entre corpo e mente tende a desaparecer. O corpo é capaz de se auto-curar, e a EFT é uma óptima ferramenta para ajudar nesse processo.


Deixe um comentário

Como se cria um trauma emocional e físico

A terapia EFT (ou Método Tapping)  tem como fundamento que cada acontecimento que faz sentir “mal”, desde um incómodo até algo grave, causa um bloqueio, uma marca, no sistema energético do corpo, que se traduz em sintomas físicos e emocionais.

Através da epigenética, sabemos que o “meio ambiente” é um factor de controle no que acontece com as células, condicionando o desenvolvimento correcto ou deficiente ou causando doenças. E para uma célula o “meio ambiente” é tudo. Desde o que se come, até aos compostos bioquímicos que o corpo produz em reacção aos pensamentos e emoções, passando pelo contacto com outros seres exógenos, como bactérias e vírus.

Tudo o que se passa no meio ambiente da célula, activa ou destactiva antenas receptoras próprias para cada “acontecimento” e de cada vez que uma célula se reproduz, reforça a presença de determinadas antenas que por sua vez são a representação de um acontecimento.

images

Imagine um momento em que viveu uma situação de medo intenso associado, digamos a uma barata – só para ser um assunto simples.

Acontecem várias coisas nesse momento.

Primeiro o cérebro percepcionou, por algum motivo, a barata como algo perigoso. A seguir dá ordens ao corpo para produzir uma grande quantidade de bioquímicos como o cortisol e adrenalina para preparar o corpo para lutar ou fugir.

Estes químicos transformam o “meio ambiente” da célula activando muitas das suas antenas receptoras destes químicos e inundando o interior da célula com esta informação de perigo. A célula, interiormente, cria químicos de resposta a esta inundação e conforme o local do corpo, liberta ou absorve açúcares, abranda até ao estado mínimo ou acelera incrivelmente. Todos conhecemos os sintomas de um acesso de stress: respiração e coração acelerado, tensão muscular, estado de alerta nos sentido, olhos e ouvidos preparados para perceber o que se passa em volta e todos os músculos prontos para lutar ou correr sem parar.

E assim está criado um nó. Um medo, racional ou não, não importa, resulta numa alteração do meio ambiente da célula, que altera por sua vez a própria célula ao nível da activação e desactivação de genes no ADN, o que cria dentro de si uma representação da percepção e da experiência de perigo e apesar de os valores baixarem no corpo em geral, este acontecimento deixou uma marca na célula.

epigenetics_FINAL

Quando for altura desta célula se reproduzir, irá reproduzir-se tal como está, com esta marca. e o número de células afectadas irá aumentar, tal como uma sensação de desconforto no corpo, um aumento do estado de alerta e de excesso de produção de químicos desnecessários. A longo prazo, níveis elevados de stress, nem sempre consciente, produzem grandes estragos no delicado estado de equilíbrio e saúde, criando dificuldades em dormir, concentrar-se, aumento de peso, problemas cardíacos e de um modo geral uma sobrecarga no organismo.

E por fim, tudo isto criou uma memória, associada a um estado emocional, físico e energético que vai desde uma percepção até todas as células e ao mundo intracelular.

Foi instalado um medo de baratas. Com o tempo a associação cérebro/corpo vai repetindo este acontecimento ao nível da memória, reforçando de cada vez todo o sistema e criando uma reação cada vez mais instalada, reforçada e profunda. De cada vez que encontra uma barata tudo acontece de novo com uma intensidade maior. E mesmo quando não vê uma barata, essa reacção vai crescendo, via reforço da memória. Por fim, só a vaga ideia de um dia poder eventualmente ver uma barata causa tanta reacção como ver efectivamente uma. Está instalada uma fobia intensa.

Como o EFT lida com isto?

É simples. Cada sintoma, cada aspecto, é trabalhado separadamente de modo a libertar a energia associada ao nó emocional e físico.  É uma reprogramação cerebral e física rápida, suave e efectiva. Vamos indicar ao cérebro que aquilo que percepciona como perigo, não o é.  E programar uma nova de reacção de tranquilidade e calma perante a mesma situação.

Neste exemplo falámos de uma barata e de uma fobia, mas o principio é o mesmo para qualquer evento ou situação emocional , pois como se percebe, as emoções causam sintomas físicos e os sintomas físicos acabam por reforçar o lado emocional.

 

Para que serve o EFT?

Deixe um comentário

Tem um problema que tenta resolver há tempo demais?

Uma dor, stress, ansiedade, um trauma profundo e antigo? Quer deixar de fumar? Quer perder peso?

EFT é a resposta para si.

Veja neste artigo tudo aquilo em que pode usar EFT ou Método Tapping.

Psicologia Energética e EFT

Deixe um comentário

O EFT enquadra-se num novo campo de trabalho terapêutico que se chama Psicologia Energética, que se baseia na interrelação entre os campos electromagnéticos do corpo, as emoções, o comportamento e a consciência.

A tese que apresenta é que os problemas psicológicos podem ser entendidos como uma alteração do campo bioenergético e assim podem ser diagnosticados e tratados facilmente.

No momento em que nos concentramos num problema ou emoção perturbadora, activa-se uma alteração no campo electromagnético do corpo e se corrigirmos essa alteração (desbloqueando), os sintomas se substituem por um funcionamento saudável.

Esta disciplina nasce da combinação das ciências da psique actuais, como a programação neurolinguística, com a tradição milenar da medicina chinesa e ayurvédica, as novas descobertas da física quântica e os métodos de diagnóstico da cinesiologia.

Thought Field Therapy (TFT), Emotional Freedom Techniques (EFT), Tappas Acupuncture Technique (TAT), Eye Movement Desensitization and Reprocessing (EMDR), PSYCH-K, Negative Affect Erasing Method (NAEM), entre muitos outros.